8.5.07

A melhor empada do mundo




Tive a sorte de dividir algumas vezes a mesma mesa de boteco com o ilustre sambista Moacyr Luz, parceiro de Aldir Blanc, compositor de "Saudades da Guanabara" e profundo conhecedor da baixa gastronomia, sempre graças ao amigo Chico Caruso, de quem ele é chegado. Numa delas, sentados no Belmonte de Ipanema, na General Osório, eu, embalada depois de tomar um "nigucinho", desafiei o compositor: "Você não sabe qual é a melhor empada do mundo". A arrogância é mesmo uma merda. O Moacyr mandou na minha lata, sem querequequé: "A do Caranguejo, porra". Aí, tímida, eu disse, em tom mais baixo: "É... também acho". Ele me olhou com aquela cara de "cê tá pensando que eu sou lóque, bicho?", e eu rapidamente emendei: "Pois é, mas há uma unanimidade em torno da empada da Salete (na Tijuca)". E ele imediatamente concordou comigo de novo. "Há mesmo, mas não dá nem para comparar". Ou seja, feliz saí eu do botequim naquela noite, pensando "eu sou foda, o Moacyr concorda comigo sobre a melhor empada do mundo". São os efeitos do álcool. Porque, na verdade, quem concorda sou eu. Com ele, o mestre. O Moacyr entende tanto e baixa gastronomia que escreveu um livro, o "Manual de Sobrevivência nos Butiquins Mais Vagabundos" (cerca de R$ 40,00 nas melhores casas do ramo). Fica para depois alguns trechos do livro aqui no blog. Agora, falemos da melhor empada do mundo.

O Caranguejo é um boteco-restaurante de Copacabana, na esquina da Barata Ribeiro com Xavier da Silveira, em frente ao novíssimo metrô Cantagalo. Atrás do toldo que você vê na foto, há um balcão repleto de empadas de camarão sempre fresquinhas, porque a demanda é gigantesca. Encoste nele, em pé, peça logo duas de uma vez e um chopp. Uma pequena empada do Caranguejo cabe na palma da mão e desmancha na boca. Dentro, um camarão e uma azeitona preta pequenina, com caroço, óbvio. Não é possível descrever a sensação de prazer que se sente ao morder esta empada. É algo do outro mundo. Porque a empada do Caranguejo é a MELHOR do mundo. Desafio qualquer um a provar o contrário. Mas, por favor, não me falem de empada grande, cheia de massa e recheio de palmito, frango ou coisa que o valha (ou melhor, que não vale nada). Elas não têm valor, qualquer valor, nenhum valor.

Em homenagem ao Moacyr, ao Caranguejo e aos pequenos prazeres da vida, não vou postar receita de empada aqui. Seria desonesto, já que a melhor empada deste mundo e, quiçá, de outros, está prontinha para ser comida, ali, em Copacabana.

4 comentários:

Gustavo disse...

Sou carioca, mas moro em Brasilia desde 1985, vivia morrendo de saudades das empadinhas cariocas (aqui so tem empada goiana). De tanto reclamar minha mae desenterrou uma receita de minha vó, so pra matar a vontade.Resumindo, hoje faço e vendo as empadinhas pra ajudar os cariocas a matarem a saudade. Meu sogro diz que é igualzinha a do caranguejo.

Anônimo disse...

Olá Gustavo!!
Por gentileza, diga-me onde vc vende estas empadinhas....rsrs, estou aqui no lago sul, não importa a distância, quero experimentá-las, ok?? rsrs
forte abraço
Rosana
rosananl@hotmail.com

Anônimo disse...

ai !!! e eu morrendo de saudades de empadinhas !!!!!!!!na frança nao tem nada disso !!!!!eu sei fazer mas é tao melhor ja feita e comer num boteco carioca !!!!!hummmmmm!

elinha disse...

oi estou precisando de uma receita como essa nao é saudade porque moro em fortaleza mas botei no google pra procurar as melhores empadas do mundo e achei este blog mas nao tewm a receita por favor eu quero descobrir o sabor maravilhoso dessa empada ...
mandem para meu e-mail:elitodaboatuf@hotmail.com

beijao ...obrigada desde já