15.3.07

A lasanha do discurso



Estive pensando, principalmente depois que conversei com Mariana sobre a importância do discurso e tal (coisas de Foucault), que gastronomia também pode ser só discurso. Não quando um sujeito diz "meu pato com laranja é sensacional" porque precisa e quer dizer outras coisas com esta frase. Mas os restaurantes, sim, podem ser só discursos. E acho que tudo só depende de onde ele está.

Por exemplo. Esta é St-Paul-de-Vence, cidade medieval na região da Provence, sul da França - vista da estrada, claro. Linda, charmosa, uma fofura. Minúscula, toda dentro da murada medieval, faz os turistas se acotovelarem nas vielas.


Só há dois restaurantes lá em cima. Um deles é este:



Tudo muito lindo e meigo, não? Pois é... associei aquele lugar à provável qualidade dos ingredientes, à tradição da culinária local, ao fato de o restaurante estar num lugar privilegiado... mas absolutamente nada correspondeu às minhas expectativas. Era tudo discurso. Nem tudo é perfeito. E antes eu não tivesse comido em Vence. Porque esta lasanha era tão ruim quato a foto sugere, merrmão.


3 comentários:

izidái (morre-fácil) disse...

Carai véi
depois de achar bundinha em éclair, você vem de filosofia numa lasanha congelada. Tem certeza de que você só usa orégano?

Anônimo disse...

Arghh! A lasanha parece daquelas que às vezes a gente erra e fica feito um cascão de queijo com molho ressecado!! Mas francês também é gente né? Até na culinária.
noemi

Tess.RJ.RJ disse...

Hahahahahahah...
Na França quando se come mal, é um exagero de mal, quase morri com uns miúdos de aves nadando em uma gordura sólida bem a provençal....o ó.